Drummond disse, fosse ele rei do mundo baixaria um decreto:

Mãe não morre nunca,/ mãe ficará sempre / junto de seu filho /
e ele, velho embora, / será pequenino / feito grão de milho.

Pudéssemos, faríamos um decreto aditivo:

Mãe nenhuma chore / a dor da partida / forçada dos filhos.

Feliz dia das mães (*).

Editora LiteraCidade

(*) Especialmente às mães de maio, às mães de abril, às mães de março… meses quase não sem fim.